DICAS DE MESTRE QUEIJEIRO

risco.png

Como escolher o melhor queijo Canastra?

Uai? É só comprar o Queijo Canastra Artesanal do Vale da Gurita.

 

Brincadeiras à parte, há diversos aspectos que podem (e devem) ser avaliados na hora de escolher o Queijo Minas Artesanal Canastra. Há opções genéricas no mercado, e precisamos selecionar produtos que, além de qualidade sensorial, sejam produzidos com todos os cuidados sanitários necessários.

 

Veja as dicas do Professor Mozair José Pinto, extensionista agropecuário da Emater, especialista em queijo e parceiro da Queijaria do Vale da Gurita

 

Procure queijos que apresentem ao menos uma das três certificações (confira no slide 6) que existem em Minas Gerais

Procure queijos que apresentem o selo de rastreabilidade

Repare no aspecto visual: precisamos avaliar se há uniformidade das cores na parte externa do queijo

Veja a textura externa: a peça do queijo tem de apresentar a mesma textura em todos os pontos, ou ao menos ser próxima

Avalie com o olfato: cheire o queijo. Deve apresentar aromas característicos agradáveis com um toque levemente ácido

Analise a parte interna: corte o queijo Canastra ao meio. Para ser considerado bom, tem de ter o mínimo de olhaduras* (buraquinhos) do tipo “rendadas” e uma textura de massa fechada

Combine a avaliação interna e externa: cheire novamente e compare o odor da parte externa com a parte interna. O resultado tem de ser agradável

Avalie o paladar: corte um pedaço do queijo e coloque na boca. Sinta as características. No caso de queijos de baixa maturação, a textura deve ser macia, cortar com facilidade. Deve-se sentir massa untuosa, levemente o toque da gordura, a leve picância e um paladar gostoso. 

*Existem três tipos de buraquinhos. A olhadura mecânica que ocorre na fabricação, quando se prensa a massa, não é defeito. A olhadura de bactérias propiônicas é positiva. Trata-se de uma bactéria disponível na natureza, e os produtos de seu metabolismo durante a cura do queijo proporcionam sabor e aroma distintos. Já a olhadura do tipo “rendado” é um defeito, pois indica a presença de coliformes fecais.

Como armazenar?

Como o queijo é um alimento vivo, seu processo de maturação não para, mesmo após a embalagem e o envio para a sua casa. Por isso, ao adquirir seu queijo, é preciso tomar alguns cuidados. Além disso, controlando o processo de maturação, você pode deixar o Queijo Artesanal Canastra Vale da Gurita do jeitinho que preferir: mais intenso, mais suave, mais ou menos picante, mais ou menos salgado. Veja a seguir as nossas dicas de como armazenar o seu canastra Vale da Gurita:

/1

Não deixe o queijo embalado

Quando sufocado, estraga. Logo que chegar em casa, tire a embalagem e coloque o queijo sobre uma tábua de madeira bem higienizada. Se possível, prefira colocá-lo no maturador de queijos, uma caixa de madeira com ventilação feita especialmente para armazenar queijos de cura

/2

Verifique o local

O queijo deve ficar em um local fresco e arejado

/3

Vire o queijo

Vire o seu queijo diariamente, para ele maturar de forma regular e não grudar na madeira

/4

Se preferir...

Caso queira interromper o processo de maturação, armazene seu queijo em um pote fechado e coloque-o na geladeira.

 
 

Como consumir?

O Queijo Artesanal Canastra. Para os mineiros, é um produto de todo dia. Aqui no Vale da Gurita é um produto do dia todo. 
“Desde de manhã, está na mesa do café. Às vezes, no final do almoço. À tarde, derretemos na frigideira e misturamos no pão de queijo. No fim da tarde, nos sentamos na varanda, partimos o queijo numa roda de amigos, com uma geleia dali da região, acompanhado por uma xícara de café, ou, no fim de semana, com uma cerveja”, explica Arnaldo Ribeiro Pinto.

O ritual da pedra
Aqui temos um costume daqueles bem antigos e queridos, chamado Ritual da Pedra. Talvez uma herança de tempos remotos, talvez invenção de aventureiros criativos. A verdade é que Arnaldo fazia muitas trilhas de moto na região da Canastra. Virou uma tradição entre seus amigos à noite, parar no local para dormir, no meio da serra, fazer uma fogueira e sentar pra comer e papear. “Pegávamos uma pedra lascada, algo que tem muito aqui, colocávamos sobre a fogueira em um canto e, sobre a pedra, algumas fatias de queijo. Era uma alegria. A gente ficava horas sentados na beira da fogueira e comíamos o queijo até cansar. Uma experiência maravilhosa.” De tempos em tempos, acendemos a nossa fogueira e resgatamos essa tradição saborosa e prazeirosa. 

O corte ideal

Há uma regra simples e importante que deve ser lembrada ao preparar o Queijo Minas Canastra Artesanal para a degustação. Todos os apreciadores devem provar a mesma quantidade de pasta (parte interna do queijo) e casca (também chamada de crosta). Ao cortar o Canastra Artesanal, que é um queijo redondo curado ou meia-cura, sugerimos cortá-lo de duas maneiras: 

Cunha

A ideal é cortar o queijo ao meio e depois em forma de cunha (triângulos grandes). A cunha poderá ser dividida em fatias mais finas no sentido do centro para a crosta, que é a maneira mais tradicional em Minas.

Porções

Para cortar o queijo em porções, a dica é: primeiro fatie em forma de cunha e depois divida em pequenos pedaços, como ilustrado acima.

 

“Para mim, a hora mais esperada é quando eu parto o queijo no meio. Gosto muito de partir o queijo, de ver como ele está, abrir e sentir o aroma". 

Arnaldo Ribeiro Pinto

 

Queijo combina com o quê?

O Queijo Canastra Artesanal Vale da Gurita tem notas picantes, baixa acidez, é leve e suave. Conforme vai curando, seu sabor fica mais intenso, e a picância mais potente. A harmonização pode ser feita especialmente por contraste, com doces e bebidas mais refrescantes.    

Algumas sugestões de acompanhamentos:

Image by Wesual Click
Pão
Biscoito
Image by Jade Seok
Torrada
Image by Marcella Pio
Café
Image by Gerrie van der Walt
Cerveja
Image by Chelsea Pridham
Vinho
Fotos de cachaça
Cachaça
Image by amirali mirhashemian
Hambúrguer
Image by Frame Harirak
Geleia
Pão de queijo
Pão de queijo
Image by Rebeca G. Sendroiu
Massa
Image by Luke Johnson
Lasanha